Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

Ano de 2022 com maior número de mortes por afogamento em Portugal em 18 anos


Texto: Lusa/Foto: LFC_Arquivo Terça, 25 de Julho de 2023

O ano de 2022 foi aquele que registou mais mortes por afogamento em Portugal nos últimos 18 anos, com 157 casos, entre eles oito vítimas mortais registadas no distrito de Leiria, segundo o relatório nacional do Observatório do Afogamento, hoje divulgado.

De acordo com documento deste observatório da Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (Fepons), no ano passado morreram 118 homens, correspondendo a 75,2% das vítimas mortais, e 38 mulheres (24,2%), havendo ainda uma morte de sexo desconhecido.

Em 2021, tinham ocorrido 101 mortes por afogamento, relativas a 69 homens, 31 mulheres e uma vítima de sexo desconhecido.

Segundo o relatório do ano passado, 54,8% das vítimas de 2022 tinham mais de 40 anos e 21% tinham menos de 25 anos.

Foram 17 as nacionalidades registadas na morte por afogamento (a portuguesa é a mais representada, com 25 óbitos), mas em 105 casos não foi possível determinar a nacionalidade.

Os dados indicam também que em 35% dos casos de morte houve tentativa de salvamento, mas 93,6% foram em locais não vigiados, especialmente no interior, havendo mais óbitos nesta parte do país do que no litoral.

Por outro lado, 61,1% das mortes ocorreram à tarde.

Dos 157 casos registados, 37,6% ocorreram no mar, 34,4% em rio, 9,6% em barragens, 5,7% em poço e 3,2% em piscinas domésticas (portos de abrigo, tanques e lagos estão entre os restantes contextos de afogamento).

Cerca de um quinto das mortes (21%) foram registadas em banhos por lazer, destacando-se ainda 7% em pesca lúdica com cana, 3,8% em quedas de carros à água, 3,8% em passeios junto à água, 2,5% em mergulho sem garrafa e 2,5% em pesca em embarcação.

O distrito que registou mais incidentes mortais foi o do Porto, com 15,3%, seguido - na lista dos cinco territórios mais afetados – dos distritos de Lisboa (13,4%), Faro (8,9%), Braga (8,3%) e da região dos Açores (6,4%).

Segundo os dados, todos os meses do ano tiveram mortes por afogamento, sendo os de agosto e setembro aqueles em que aconteceram mais mortes (14,6%). Seguiram-se julho (12,7%) e junho (10,2%).

Hoje assinala-se o Dia Mundial da Prevenção do Afogamento, proclamado através da Resolução 75/76 adotada na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas de 14 de abril de 2021.

O objetivo é lembrar o impacto profundo do afogamento nas famílias e nas comunidades, visando incentivar medidas que salvem vidas, assim como meios que previnam este tipo de acidentes.

Com a divulgação dos dados do relatório neste dia, a Fepons espera “educar para o mais elementar seguimento das regras de segurança, pois as pessoas não são números, mas estes números são de pessoas”.



Assinaturas