Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

Porto de Mós: Debate sobre o futuro da democracia assinala 50 anos do 25 de abril


Foto: Município Porto de Mós Quinta, 22 de Fevereiro de 2024

‘Que futuro para a democracia portugue­sa?’ foi a temática abordada na primeira sessão do Ciclo de Mesas Redondas ‘Democratizar, desenvolver e descolonizar’, realizada no âmbito das Comemorações do Cinquentenário da Revolução de Abril que estão a assinalar-se em Porto de Mós.
Representando os três eixos do sistema democrático, a sessão contou com a presença de Ana Gomes, antiga eurodeputada, Carlos Beato, capitão de Abril e ex-autarca e Ana Cristina Vilaverde, advogada e atual Presidente da Assembleia de Freguesia de Mira de Aire.
Ana Gomes fez uma analogia entre a época pré 25 de abril e a atual conjuntura: ainda que perante regimes diferentes, a população enfrenta hoje uma grave crise económica, contexto (internacional) de guerra e a ameaça à liberdade dos indivíduos.
Nas palavras da antiga eurodeputada, está nas mãos de cada um exigir que os governantes garantam as condições de vida às suas populações e que cumpram o seu papel de regulador nas diferentes áreas de atuação da sociedade civil, económica e judicial e “isso não é imiscuir-se em assuntos que não são da sua competência”, é garantir que o sistema funciona de forma justa e equilibrada.
Confrontada com a questão da corrupção, Ana Gomes admite que em Portugal não há mais corrupção no que os restantes países da Europa, há antes uma falha na intervenção do sistema judicial que torna impune a prática de corrupção, e é aí que deve haver intrepidez por parte do poder governativo para alterar essa condição.
A diplomata disse ainda compreender o ressentimento dos portugueses face à classe política, mas afirma que confia no bom senso do povo português, acreditando que esse ressentimento será canalizado para o voto responsável.
Já Carlos Beato afirmou que “em momento algum podemos pensar que o 25 de Abril não valeu a pena”. “O 25 de Abril foi feito pela juventude. Os capitães de Abril estavam todos entre os 21 e os 29 anos de idade”, disse, recordado pelo município numa nota de imprensa.
Por seu turno, Ana Cristina Vilaverde, questionada sobre a questão da paridade de género na vida política, diz ser um “mal necessário” que veio garantir que as mulheres passassem a exercer um maior número de cargos políticos.
Sobre os direitos da mulher adquiridos no pós 25 de Abril, a autarca diz que, não obstante as imensas conquistas feitas ao longo dos últimos 50 anos, há, ainda, um longo caminho a ser feito para alcançar a igualdade, nomeadamente no que diz respeito ao acesso a cargos de chefia e à remuneração sem distinção.
A próxima sessão terá lugar no dia 15 de março e abordará o tema do desenvolvimento..|



Assinaturas

Edição de Hoje, Jornal, Jornais, Notícia, Diário de Coimbra, Diário de Aveiro, Diário de Leiria, Diário de Viseu