Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

SolarVenti renova a qualidade do ar das habitações e evita “ambiente interior húmido”


Texto: Cristiana Bernardino | Foto: DR Quinta, 16 de Maio de 2024

Dedicada ao desenvolvimento, produção e manutenção profissional de coletores solares de ar, a empresa Solarventi Portugal nasceu em 2018 e partiu da necessidade de solucionar os problemas de bolor e mofo que, frequentemente, predominam no interior das habitações e dos edifícios.
Mas afinal para que serve um coletor de ar solar e quais os benefícios? Segundo explica ao nosso jornal o responsável da SolarVenti, Rui O’neill, o coletor de ar solar SolarVenti “renova o ar” e pode evitar “o ambiente interior húmido e fechado e evitar o aparecimento de condensações e oxidações, assim como a formação de cheiro a mofo, bafio” e a permanência de um “ar saturado no ambiente”.
Além disso, o sistema filtra “o pólen e a maioria das partículas que andam no ar, o que torna a casa mais limpa e saudável com impacto positivo direto para quem sofre de alergias, asma e outros problemas respiratórios”.
De acordo com o responsável, o coletor de ar solar SolarVenti não necessita de manutenção, pois durante o “período de paragem do sistema no verão, o filtro fica limpo com o calor do sol que elimina todas as partículas que tenham ficado retidas no coletor”.
Apesar da empresa estar sediada em Santo Estevão, no concelho de Benavente, a sua atividade é estendida a todo o país, incluindo ao distrito de Leiria, onde tem aumentado a sua base comercial.
A SolarVenti conta, atualmente, com clientes em Amor (Leiria), Almoster (Ansião), Vimeiro, Pataias e Aljubarrota (Alcobaça), Bombarral, Caldas da Rainha, Salir do Porto, Foz do Arelho, Ferrel (Peniche), Gaeiras (Óbidos) e Nazaré.
A SolarVenti encontra-se a desenvolver uma parceria estratégica com uma empresa do distrito de Leiria para “criar uma política de proximidade maior” e assim responder de “forma mais efetiva e rápida às várias solicitações do mercado” e dos seus clientes, esclarece Rui O’neill.
“Esta decisão foi tomada no final do ano 2023 e será desenvolvida até ao final do primeiro semestre de 2024, de forma a poder estar em pleno a partir de setembro de 2024”, conta o responsável, acrescentando que a parceria é criada a partir da necessidade da Solarventi Portugal prestar formação na área comercial.
No início da atividade, conta o responsável, a empresa teve como clientes os proprietários de casas de férias que estavam fechadas durante um grande período do ano. Atualmente, os clientes, além de proprietários de “casas de férias com ou sem caves”, são também os de “casas de utilização permanente”, com garagens, armazéns, barcos, caravanas, piscinas aquecidas, esclarece o responsável, Rui O’neill.
Além disso, o sistema Solarventi começa também a ser instalado em edifícios públicos, como as creches, escolas do 1.º ciclo, “pequenos museus, bibliotecas municipais” e outros.
Tal como explica o responsável, o sistema poderá ser instalado por um profissional “em poucas horas”, tal como é recomendado, mas também poderá ser instalado pelo próprio proprietário. “As instruções de montagem são fornecidas com cada modelo SolarVenti para permitir a instalação ‘faça você mesmo’”, realça.
Em jeito de balanço, Rui O’neill admite que, desde o início da atividade da empresa, a SolarVenti tem sido “fabricante líder” no setor, garantindo a “sustentabilidade” em todas as suas atividades. “Tomamos muito cuidado para utilizar os recursos ecológicos, económicos e sociais de forma responsável para atingir o nosso objetivo de tornar o mundo um lugar melhor para se viver”, salientou.|



Assinaturas

Edição de Hoje, Jornal, Jornais, Notícia, Diário de Coimbra, Diário de Aveiro, Diário de Leiria, Diário de Viseu