Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Diretor: 
Adriano Callé Lucas

Investigadora pede mais literacia em relação ao assédio no trabalho


Texto: Agência Lusa | Foto: DR Quinta, 16 de Maio de 2024

 A coordenadora do Laboratório Português de Ambientes de Trabalho Saudáveis (LABPATS) defendeu hoje a necessidade de mais literacia em relação ao assédio no local de trabalho, lembrando que é um problema que afeta quase um em cada cinco trabalhadores.
“Custa muito dizer isto, mas ainda temos uma percentagem entre os 17% e os 19% de casos em que as pessoas dizem que foram alvo de ameaça ou de outra forma de abuso, físico ou psicológico, com insultos, ou que foram postas de lado. É muito”, afirmou Tânia Gaspar de Matos, que coordenou o estudo que será hoje apresentado sobre ambientes de trabalho saudáveis.
A investigadora disse que falta literacia sobre o assédio no local de trabalho e exemplificou: “Quando devolvo estes dados às organizações, elas ficam sempre admiradas”.
“Tem a ver também com literacia, é uma questão cultural. Às vezes as pessoas dizem: ‘tem aquele feitio’. Mas não pode ser”, constatou, referindo que, felizmente, as gerações mais novas “não estão para isto”.
A psicóloga disse que as mulheres são mais afetadas pelo assédio no local de trabalho e afirmou que, muitas vezes, a vítima “ainda fica com dúvidas sobre se está a interpretar bem”.
Insiste na importância de ensinar o que é o assédio, como se pode manifestar e que consequências tem para a saúde mental das pessoas.
“Nas escolas, começou a falar-se mais de bullying e a coisa melhorou (…). Se não tivéssemos feito esse caminho [de falar sobre bullying] isto não tinha acontecido”, exemplificou.
Tânia Gaspar de Matos referiu que quem sofre de assédio, muitas vezes, “não faz queixa porque acha que [a queixa] vai ficar numa gaveta, ou que ainda ficará prejudicada” e defendeu a existência de um canal de denúncias, “transparente e externo à empresa”, para que a pessoa “tenha segurança" no processo.
“Mesmo quando a queixa vai para a frente e a organização aceita, há outro problema jurídico: ou não há testemunhas, ou tem de se provar o assédio, o que não é fácil”, acrescentou.
A psicóloga disse que “existe um perfil de vítima”, sublinhando que as pessoas mais assertivas estão menos expostas ao risco.
“É preciso promover competências nas pessoas para serem mais assertivas e terem mais confiança, ganhando ferramentas para combater estas situações”, defendeu.
O assédio pode envolver ações ou comentários intencionais, ofensivos e repetidos destinados a rebaixar deliberadamente a vítima ou a causar humilhação pessoal e, por vezes, também pode incluir isolamento social e exclusão intencional, críticas constantes e desproporcionais, controle excessivo ou até mesmo ameaças de demissão ou outras represálias, explicou.
Esclareceu que o assédio moral pode ser ascendente (do subordinado para o superior hierárquico) ou descendente, entre colegas ou organizacional, que é o que ocorre quando a cultura, as políticas e as práticas de uma organização promovem ou toleram comportamentos abusivos e discriminatórios.
O assédio moral no local de trabalho “afeta a saúde mental e o bem-estar dos profissionais numa perspetiva biopsicossocial”, disse, referindo que pode provocar sentimentos de ansiedade excessiva e ‘stress negativo’ provocado por uma perceção de falta de controlo ou incapacidade de lidar com determinada situação.
Pode igualmente levar a situações de dificuldades de concentração e memória, distúrbios do sono, sintomas de tristeza ou depressão, mais ou menos graves, assim como de esgotamento físico e mental (‘burnout’) e, em casos extremos, pensamentos suicidas.
As mulheres, os trabalhadores com menor escolaridade, os profissionais com doença crónica, da função pública, pertencentes às gerações X (43 a 59 anos) e Y (29 aos 44 anos) e os que trabalham em organizações maiores são os que estão em maior risco.



Assinaturas

Edição de Hoje, Jornal, Jornais, Notícia, Diário de Coimbra, Diário de Aveiro, Diário de Leiria, Diário de Viseu